Atualizadas diariamente por volta das 09:00 horas



Usando a chuva prevista até 16/07/2015


Projeção e seus limites de credibilidade em % do volume total. Chuva média prevista de 0 mm/dia e vazão de retirada de 15,3 m3/s.
Projeção Limite inferior Limite superior
12/07 15,1 14,9 15,3
13/07 15,1 14,8 15,4
14/07 15,1 14,7 15,5
15/07 15,1 14,6 15,5
16/07 15,0 14,5 15,6




Usando 3 cenários de chuva até 10/08/2015





Projeções para os 3 cenários em 10/08/2015


Projeção e seus limites de credibilidade em % do volume total para os três cenários. Vazão de retirada de 15,3 m3/s. Médias históricas: 49,9 mm de chuva acumulada em julho e 36,9 mm em agosto.
Cenário de Chuva Projeção Limite inferior Limite superior
75% da média 14,0 12,7 15,4
Na média 14,5 13,2 16,0
125% da média 15,0 13,7 16,6


Probabilidade do volume em 10/08/2015 estar menor que hoje


Para os 3 cenários de chuva e vazão de retirada de 15,3 m3/s. Médias históricas: 49,9 mm de chuva acumulada em julho e 36,9 mm em agosto.
Cenário de chuva Probabilidade de redução (%)
75% da média 95,5
Na média 83,6
125% da média 57,9


Perguntas frequentes

Como são feitas as projeções para os próximos dias?

Usamos um modelo matemático e as previsões meteorológicas para projetar quanta água restará no sistema Cantareira até 10/08/2015. Para isso temos que criar cenários: quanto de chuva cairá e quanta água será retirada do sistema. Para a retirada usamos a média do mês anterior1. Para as chuvas usamos as previsões diárias do portal Tempo Agora.


Como são feitas as projeções para 30 dias?

Usamos o mesmo modelo matemático, supondo novamente que a vazão será a média do mês anterior. Para as chuvas usamos três cenários:

  • Chuva na média histórica,
  • 25% abaixo da média,
  • 25% acima da média.


Por que projetar para no máximo 30 dias?

Por dois motivos. Em primeiro lugar porque toda projeção tem uma margem de erro. O erro da projeção de um dia propaga-se para o dia seguinte que também tem uma margem de erro e assim por diante. Por causa desse “efeito cascata” quanto mais para o futuro tentamos fazer a projeção, maiores as incertezas. Assim, depois um certo tempo, a projeção perde tanta precisão que não faz mais sentido.

O segundo motivo é que nosso modelo é uma aproximação simples para um fenômeno muito complexo. A aproximação é boa para intervalos curtos.

Nós fizemos testes do nosso modelo com dados no passado e vimos